causos da roça: Lobisomem

Esse causo eu ouvi de um morador de Jericó. É mais ou menos assim:

Dizem que quando um casal tem sete filhos homens, há uma chance do mais novo se tornar lobisomem. Para que isso não aconteça, o primogênito teria que batizar o caçula. Demora um pouco para que uma criança descubra que é lobisomem, geralmente ela começa a virar lobisomem a partir dos sete anos e isso acontece nas noites de lua cheia a partir da meia noite.

Uma família antiga de São Luiz do Paraitinga, com residência nas proximidades do Núcleo Santa Virgínia, tiveram muitos filhos (coisa corriqueira de quando não se tem TV). O Sétimo filho virou lobisomem, pois a família desconhecia a tradição para evitar que isso acontecesse. Nem a criança e muito menos a família sabiam, pois quando uma pessoa se transforma em lobisomem ela não se lembra dos fatos ocorridos durante a transformação.

Com o passar do tempo essa criança se tornou um adulto e, como a maioria dos adultos, acabou se casando. Casou-se com uma mulher muito bonita e decidiram morar na zona rural, nas cercanias da casa de seus familiares. Alguns meses após o casamento, eis que são agraciados com um pimpolho.

Frequentemente eles iam visitar os pais e voltavam, à pé, tarde da noite. Em uma noite de lua cheia, após visitar os pais, o homem começou a passar mal e saiu correndo para o mato, deixando a esposa sem entender o que estava ocorrendo. Ela permaneceu parada esperando o marido reaparecer. Após alguns minutos ela começou a caminhar e eis que surge um lobisomem querendo pegar o recém nascido. A mulher conseguiu subir em uma porteira na tentativa de proteger o seu filho. Foi quando o lobisomem atacou a ela e ao filho, rasgando a manta que a mãe usava para esquentar a criança. Os gritos de desespero da mulher fizeram com que o lobisomem fugisse e desaparecesse no meio da mata.

No outro dia o esposo aparece em casa todo rasgado e a mulher, indignada, falou das desventuras da noite anterior e perguntou onde ele estava, o que havia acontecido e se ele não ouvira os gritos de socorro dela. O marido não acreditou na estória do lobisomem e começou a rir, foi quando a mulher viu entre os seus dentes os fiapos da manta do seu filho.

Depois disso não sei o que aconteceu… O lobisomem ainda reside no Núcleo Santa Virgínia?

lobo

This entry was posted in aleatório, brevet 200km, Cunha, Guaratinguetá, informações, Lagoinha, Mogi das Cruzes, Randonnè, relatos, São Luiz do Paraitinga, test-ride. Bookmark the permalink.

5 Responses to causos da roça: Lobisomem

  1. Rafael,
    Também curto ouvir (ou ler) as histórias contadas pelo povo. Sempre que posso pesquiso sobre as lendas locais. No brevet em que saímos da estação Estudantes e seguimos para Guararema, fiquei conhecendo a lenda da noiva da estrada que “ataca” os motoristas a noite e os faz perder a estrada. Muito legal este “post”.
    Abraços,
    Ricardo

    • rdmeneze says:

      Não sei se você viu por aqui: https://www.youtube.com/watch?v=dHK-eNbrK2s

      Também tem uma lenda de lobisomem em relação à sabaúna, por isso eu não coloquei o trecho noturno do Brevet do bairro do Cedro passando por Guararema…

      Não quero me responsabilizar por lobisomens e nem Noivas fantasmas…

      sobre o lobisomem de sabaúna, o Daniel Labadia e o Valdeir trombaram de frente com ele e ainda estão vivos.

  2. Vish!!!

    Na minha região também tem estórias de lobisomem, reza a lenda que o pai saiu para pescar em um final de tarde com as filhas, escureceu, o pai sumiu, veio um lobisomem e comeu os peixes. Quando o bichão foi embora, o pai voltou e as filhas contaram a estória. Mas as filhas ficaram assustadas na manhã seguinte quando viram o pai vomitando os peixes.

    Aqui sempre rolam umas estórias assim.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s